terça-feira, 23 de janeiro de 2007

As ''Heróicas Exceções''


Assim eu tinha me referido a eles. Desde semana passada, que uma pontinha de remorço vinha me corroendo, já que eu havia privilegiado antes os grupos estrangeiros, e não nossos desbravadores do Rock Pesado nacional...Ainda mais acompanhando o trabalho exemplar do Hazzamanazz e sua galera lá no Demência 13 ( http://www.demencia13.blogspot.com/ ) , que sempre coloca pérolas da porradaria ancestral. Confiram lá um grande acervo de bandas essenciais p'rá quem quer entender a cronologia do som pesado brasileiro, além de uma matéria, por que não dizer, ''apaixonada'' , acompanhando a discografia da grande banda Vulcano.

Aqui, nos post's abaixo, coloquei algumas das coisas que consegui juntar por aí. Lembrando sempre que grande parte desses grupos eu só vim a conhecer de verdade hoje, através da Internet. Devido a morar no interior do interior do Litoral Norte do RS, sobre muitas dessas bandas eu tinha menos que informações escaças, apenas o rumor da lenda...Aqui, onde nem uma fraca distrubuição existia, se conhecia apenas aquilo que se ia atrás p'rá conhecer. Mesmo grupos primordias do próprio Metal gaúcho, ainda hoje não encontro seus registros (...alguém aí teria alguma coisa do Astaroth, ou a demo do Titanic, thrashzão cantado em português, que depois virou Barfly Band, apostando no Hard Rock em inglês? Se tiver, manda p'rá nós!) Bueno, aí estão, então. Todos podem notar que a qüalidade de muitas dessas gravações não são...exatamente como deveriam ter sido, em função de tudo aquilo que já estamos carecas de saber: falta de grana, falta de equipamento, de aceitação por parte da indústria e conseqüente falta de preparo técnico dos profissionais de estúdio para assimilar a proposta...Et cetera, et cetera e tal...Ficaram a cara dura e a honestidade desses pioneiros, em grandes hinos do Metal...

Leiam aqui, na Heavy Metal Brasil, um breve histórico daqueles tempos de luta, sangue e dedicação: http://www.heavymetalbrasil.com.br/brasil.htm

Até breve, pessoal! Um pouco atrasado desssa vez, but i'm back again! O Brankinho preparou várias novidades p'rá gente, lay-out novo, Vídeo do Dia, esperamos que tenham curtido...Uma ótima semana à todos!!!

11 comentários :

  1. Graaannnde Mestre...

    Eu tentei de todo jeito achar essas pedradas aí, mas não conseguí!

    Esse do Azul Limão mata a pau e o Kamikaze é simplesmente de foder!
    Notou como o Dorsal refinou o som legal no Alea...?
    O pessoal pode achar heresía, mas eu prefiro ele ao Antes do Fim. :P :D

    Até o Carlos Vândalo fala isso no site dele, que acha o Antes do Fim uma merda hoje em dia...risos...

    [ ]'s

    ResponderExcluir
  2. Gosto bastante dessas músicas do Dividir e Conquistar...pode ser só nostalgia, mas o único problema com o disco é aquele mesmo: com uma produção mais caprichadinha(principalmente no trato da voz) tinha ficado perfeito!

    No Alea o negócio já é pura técnica, aqui o troço é bruto mesmo!

    ResponderExcluir
  3. ...e um pesinho a mais naquela guitarra também não cairia nada mal!

    ResponderExcluir
  4. "Nascemos com a missão de fazer um sonho viver... mesmo com pessoas e pedras fechando nosso caminho... Fazem necessário que não tenhamos nenhuma paz... porque a alma descansada não... brilha jamais!!!"

    Rapaz, eu tenho 22 anos e tive muita sorte de poder ouvir toda esta fase nacional durante a adolescencia. Bandas como Leviathan, MX, RDP, Mutilator, Headhunter DC (quebrava a pau), putz, muitos malucos ouviam estas coisas por aqui e não parei no angra apenas, ehehehehe... E tenho um carinho especial por tres discos do Dorsal: Antes do Fim, Dividir e Conquistar, Searching for the light. Fizeram minha cabeça...

    "What a youngster want? Fighting in Gangs..." Carlos Vãndalo era simplesmente foda... E o Alea é para mim um marco, mas por questões memoráveis ainda prefiro o antes do fim...

    Só esse Azul Limão eu não engolia muito, não.

    ResponderExcluir
  5. Putz, e só agora eu vi o Inox, cara, muito obrigado, eu achei qeu nunca mais ia ouvir este som. Pra te dizer a verdade, até tinha esquecido que esta banda existiu...

    ResponderExcluir
  6. Mestre, depois vou fazer uma pesquisa aqui no seu blog. Quando eu ouvi o Lula falar que não ia a 120 por hora, eu não sabia que se tratava dessa música, mas como me incomodou (afinal 120 hoje não é nada), fui me informar. Achei a versão da Rua Augusta com os Mutantes, uma versão que adorei e que não pude postar porque era mp3 e eu não sei fazer isso, sempre que tento não dá certo. Então fiquei procurando "midi-voice" e encontrei essa outra interpretação...Agora do mesmo jeito que adoro o Raul Seixas, não gosto muito do "escritor" Paulo Coelho que fazia dupla com ele. De qualquer forma, eu não sabia que vocês tinham Raul Seixas aqui...heeheehe, me aguardem.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Mestre... eu entendi o teu comentário, omeu preciosismo com as palavras tem mais a ver com um hábito de esclarecer que eu desenvolvi com o tempo.Espero que não me tenhas achado embirante:)
    Uma beijoca

    ResponderExcluir
  8. Está aí um assunto que não posso emitir opiniões.

    ResponderExcluir
  9. O mesmo vale para todos os posts abaixo, fez uma bela coletanea mestre

    ResponderExcluir
  10. Saudações

    Já tive a honra de abrir um show do Dorsal e Vulcano aqui em Santos, no saudoso Circo Marinho. Foi o meu 1° show, nos idos de 1989...

    Boas épocas. Carlos Lopes (ou Vândalo) era uma figura e tanto. Um intelectual, sem dúvida.
    Lembro que depois do show (que tinha que acabar antes da meia-noite) fomos a uma pizzaria, e havia algumas minas que tínhamos conhecido no show (poucas, como sempre em se tratando de show de metal... então já viu o desespero, né?!).
    Houve uma certa disputa por uma morena entre eu e o Cláudio, baixista do Dorsal. É, ele levou a melhor... mas também eu não era do Dorsal e só tinha 17 anos...

    Boas épocas mesmo!

    Só estudar (nada de trabalho), rock, e com 2 cervejas eu já tava pra lá de Bagdá, he he...

    Abraços

    ResponderExcluir
  11. ...é fiquei pensativo. Fui invadido por memórias. Memórias de uma época em que a vida, pelo menos para mim, era mais simples. Não havia tanta pressão, tanta responsabilidade. Não que eu não goste de minha vida atual. Longe disso, mas é que quando somos mais jovens, parece que há uma certa magia nas coisas, tudo é novo, diferente, sei lá, não acho uma definição correta. Mas sem dúvida, as coisas são diferentes.

    Se eu soubesse disso, teria aproveitado muito, muito mais...
    Chega! já tô quase chorando, he he!

    Bom final de semaa, grande irmão do metal!!!

    ResponderExcluir

Comente sobre o post, para Pedido, Parceria, utilize o email mail@agoraerock.com

Seu comentário é nosso incentivo para continuar com este blog e trazer notícias e musicas boas para vocês!